CARROS TUNADOS


Mercado de Carros Tunados vem Crescendo no Brasil

A Procura por carros Exclusivos vem fazendo a diferença no mercado de automóveis no país




Os Carros Tunados ou tuning juntamente com a fabricação de acessórios e equipamentos tuning são responsáveis por um grande movimento financeiro no mercado automobilístico, tanto que as montadoras vem investindo neste segmento e oferecendo aos proprietários de carros que curtem carros tunados acessórios e equipamentos cada vez mais modernos e mais adaptados as tendências do tuning.



Desde velozes e Furiosos o mercado de Carros Tunados vem crescendo em todo o planeta e não será diferente no Brasil.  Fabricantes procuram a todo momento equipar seus lançamentos para se adequar às novas tendências, para tornarem seus veículos mais atraentes para uma mercado cada vez mais exigente por exclusividade.


A moda está em todas as faixas etárias, mas é mais frequente entre os jovens.  Carros se transformam, caminhões, utilitários e agora até motos são modificadas na busca da exclusividade, pelo Tunning. Trocam-se luzes, para-choques, pintura, teto, motor, volantes, tecidos e etc...  


Tunnings revelam que a graça em “Tunar” está na escolha dos utilitários, do sintonizador, das luzes de LED que são aplicadas no teto e na base da carroceria passando por novas pinturas, adesivagens e trocas de itens como volante, tecido do banco.



Segundo a Specialty Equipment Market Association, um grupo comercial da Califórnia, as vendas totais da indústria de equipamentos especiais, que inclui rodas, pneus de performance, pintura personalizada e acessórios decorativos, subiu 13,7 por cento para US $ 48,9 bilhões em 2012. Ainda segundo a associação, mais da metade de todos os jovens americanos que compram um carro no ano passado, disseram que planejaram modificá-lo.




No Brasil a moda ganha cada vez mais adeptos e a última entre os "tuneiros", depois de experimentarem diferentes formas de customização é a personalização das rodas, técnica que vai além dos tipos cromados e diamantados que já existem no mercado há um certo tempo. O processo é parecido ao da carroceria e tão prático quanto. A película pode ser retirada ou modificada com pouco trabalho, mas embora pareça simples deve ser feito por técnicos especializados.



A lista de opcionais que podem ser feitos nos veículos é infinita, desde a personalização de itens de série até a nova moda de “envelhecimento” deixando o veículo com um visual enferrujado.


Seja qual for a sua praia, o ideal é procurar um profissional qualificado para não sofrer aborrecimentos futuros. No mais é aproveitar o visual e arrasar com seu melhor amigo.




Linha 2014 Destroyer da Bomber  vem para revolucionar a Industria de som e Acessórios Automotivos



A nova linha Premium de sons automotivos é destinada para quem busca potência e som de qualidade, a marca disponibiliza subwoofer e woofer de 1.200 W RMS de potência.


Composto por Kit duas vias, a Linha Subwoofer e Linha Woofer de 1.200 W, 6×9 quadriaxial com potência de 110 e 150 W, driver e super tweeter, a Linha Destroyer chega para agradar quem gosta de curtir um som “pesado” e já pode ser encontrada nas principais redes de distribuidores do Brasil.
“Sentimos que o mercado exigia um produto com maior potência e a Bomber já é líder há 20 anos neste segmento. A Linha Destroyer chega para atender a um público que busca um som de qualidade para o carro, um produto premium”, explica o diretor comercial da Bomber, Roberto Zepka.

Conheça a linha completa:
 

Super Tweeter Destroyer: com tampa injetada em policarbonato, possui potência (w RMS) 90 c/ Crossover em 6 KHz 6Db/8a; sensibilidade ( dB/W/m) 106; frequência (Hz) 6.000 a 20.000 e impedância 8.
 
Driver Destroyer: possui potência (w RMS) 90 c/ Crossover em 2KHz 6Db/8a; sensibilidade (dB/W/m) 95; frequência (Hz) 1.200 a 7.000 e impedância 8.
 
Kit Two Way Destroyer: formado pelo Mid Bass, com potência de 60 w RMS, e pelo Tweeter, conjunto magnético com imã de Neodímio, tem impedância de 4 Ohms; 65 Hz e sensibilidade de 86 db (1w/1m).
 
Quadriaxial 6×9: com potência de 150W RMS/300 Watts Rms Par, tem impedância 4 Ohms; 57Hz e sensibilidade 88 db (1w/1m).
 
Subwoofer Destroyer 8’’ D2 e D4: com potência de 500W RMS, possui conjunto magnético duplo; cone em celulose prensada, que garante alta rigidez, entre outros diferenciais. Pode ser encontrado em duas especificações:
 
Subwoofer Destroyer 8’’ B4 – 500W: impedância de 4 Ohms; 43 Hz e sensibilidade 85 db (1w/1m).
 
Subwoofer Destroyer 8’’ D4 – 500W: impedância de 2×4 Ohms; 46Hz e sensibilidade de 85 db (1w/1m).
 
Subwoofer Destroyer 10’’ D4; 12 D4 e 15’’ D4 - tem potência de 800 W RMS para o modelo 10’’ e 1200 W RMS para os modelos 12’’ e 15’’. Pode ser encontrado em três especificações:
 
Subwoofer Destroyer 10’’ D4 – 800W: impedância 2×4 Ohms; 39 Hz e sensibilidade 84 db (1w/1m).
 
Subwoofer Destroyer 12’’ D4 – 1.200W: impedância 2×4 Ohms; 30 Hz e sensibilidade 87 db (1w/1m).
 
Subwoofer Destroyer 15’’ D4 – 1.200W: impedância 2×4 Ohms; 35 Hz e sensibilidade 87 db (1w/1m).
 
Woofer Destroyer: com 1200W RMS de potência para 12’’B4 e 15’’B4, ambos possuem frequência (Hz) de 40 a 2.000 e sensibilidade de 88 para o 12’’ e 91 para o 15’’.
 
A Linha Destroyer 2014 já está disponível para venda, possui garantia de 1 ano pelo fabricante e pode ser adquirida separadamente.




Suspensão Esportiva:  Como rebaixar seu carro dentro da Lei?


Rebaixar o carro é uma arte, mas a lei permite apenas molas alteradas que tenham sido devidamente certificadas.

Molas esportivas, por definição, é a, mola produzida especialmente para quem deseja rebaixar seu carro (+- 5cm).  São molas que mantém a constante elástica da mola original, ou seja, a taxa de compressão da mola é a mesma da original . As Únicas diferenças é que elas são menores e com o número de elos (dependendo da marca) diferentes.

As Marcas mais conhecidas são Cangoorun, Red Coil, Eibach e Feeder. 


Uma das maiores dúvidas entre os apaixonados por carros rebaixados é saber qual o melhor sistema, o mais barato, se é legal e seguro. 

Segundo usuários e fabricantes as molas esportivas  são mais rígidas e garantem maior estabilidade.  No entanto, para conseguir mexer no carro e ainda deixá-lo seguro e legalizado no Detran, é preciso seguir algumas regras

As regras são claras, segundo o artigo 6º da resolução 292, só são permitidas suspensões fixas. Ou seja, não poderão ser legalizadas suspensões móveis sejam elas a ar, hidráulicas ou de rosca. E é nesta mesma resolução que ficam definidas dubiamente a questão das molas esportivas: Art. 8º Ficam proibidas: (...) IV – A alteração das características originais das molas do veículo, inclusão, exclusão ou modificação de dispositivos da suspensão.

No entanto,  as molas podem sim ser alteradas, O que não pode é cortar, amassar ou colocar molas que não tenham sido certificadas. Quando se troca as molas, geralmente o proprietário também opta por mudar rodas e pneus, e aí as regras são as seguintes: não se pode usar rodas/pneus que ultrapassem os limites externos dos para-lamas do veículo e o conjunto montado não pode entrar em contato com qualquer parte da mecânica e/ou carroceria, estando ele em movimento ou parado. A dica é calcular a compatibilidade do conjunto roda/pneu original com o que será instalado.

A troca das molas não é dos procedimentos mais caros do tuning. A Mola cangoorum por exemplo varia de R$ 300 a R$ 400 o jogo completo. A instalação geralmente sai por R$ 40. O Alinhamento da suspensão e se necessária a cambagem podem sair a R$ 40, R$50 dependendo do local. Mas o preço depende muito do tipo de mola, se é nacional ou importada. Além disso, é preciso levar em consideração o preço da regularização no Detran que vai de R$ 400 a R$ 800, dependendo se você vai contar com o auxílio de um despachante.


Regularização


O processo começa no pedido de autorização junto ao Detran para a regularização. Depois, o veículo deve ser conduzido ao Inmetro onde será realizado um laudo de CI (Certificado de

Inspeção) e o CSV (Certificado de Segurança Veicular). Após o laudo aprovado, o veículo será conduzido até o Detran e será realizada uma vistoria de chassi e motor, onde serão necessários: documento de compra e venda (CRV original), cópias do RG, CPF e comprovante de residência, além do decalque do chassi e do motor. O tempo médio para a legalização é de cinco dias e deverá ser feito um novo documento do veículo para que conste a modificação.

Outra mudança que também deve ser feita é no seguro e é neste momento que nasce grande parte dos problemas dos aficionados por tuning. Raramente alguma seguradora aceita fazer o seguro de um carro modificado. Aquelas que não negam o cliente, elevam o preço a um patamar impossível de ser pago. Veículos rebaixados, infelizmente, são mal vistos. A opinião das seguradoras é que as mudanças podem acarretar em problemas no sistema de freios. Mas isso é impossível já que o carro foi aprovado pelo Inmetro. Acredito que o que acontece é que as seguradoras têm preconceito e acham que quem gosta de tuning está envolvido com racha. Não adianta querer enganar a seguradora! Se você modificar o seu carro e se "esquecer" de avisar a companhia, ela tem o direito de não pagar o seu veículo no caso de um sinistro.







Nenhum comentário:

Postar um comentário